sexta-feira, julho 23, 2021

SO no NOSSO - VEJA onde seu DEPUTADO está enfiando o dinheiro ....Paulo Litro fica em 3º Ranking que mais gastou com verba de ressarcimento

72% dos deputados estaduais do Paraná aumentaram gastos com verbas na pandemia

Os dados disponíveis no Portal da Transparência da Assembleia Legislativa do Paraná mostram que nos cinco primeiros meses de 2021, o valor total gasto pelos deputados estaduais com verba de ressarcimento chegou a R$ 6.073.608,66. O número é 12,1% maior do que o verificado no mesmo período de 2020 (R$ 5.413.222,43). Quando a comparação é feita somente com o mês de maio, a alta nos gastos chega a 33,3%, passando de R$ 1.026.310,88 em 2020 para R$ 1.368.478,02 neste ano.
Dos 54 parlamentares da Assembleia Legislativa do Paraná, 39 deles, ou 72% do total de deputados, apresentaram alta nos gastos com verba de ressarcimento no comparativo entre 2020 (pré-pandemia e início da pandemia) e 2021 (pandemia).

Quem lidera o ranking de maiores gastos com verba de ressarcimento em 2021 é o deputado Galo (PODE), com valor total no período de R$ 163.627,12, seguido por Plauto Miró (DEM) (R$ 160.707,14), Paulo Litro (PSDB) (R$ 155.471,93), Cobra Repórter (PSD) (R$ 154.528,28) e Soldado Fruet (PROS) (R$ 150.248,30). Do topo da lista, Galo afirma que a verba está disponível para ser usada durante o mandato.

Já entre os parlamentares que menos gastaram no mesmo período, lidera o ranking Luiz Fernando Guerra (PSL) com o valor ressarcido de R$ 7.325,76; seguido de Rodrigo Estacho (PV): R$ 22.134,37; Evandro Araújo (PSC): R$ 47.556,42; Mabel Canto (PSC): R$ 52.592,53 e Homero Marchese (PROS): R$ 65.502,07. O deputado Guerra coloca na discussão o fator pandemia: “foram reduzidas as viagens para as bases neste momento. Gasto somente o que é necessário. A política deve ser feita de bons exemplos – como conseguir fazer mais com menos, como é na iniciativa privada, gastar somente o que é necessário, ainda mais nesse momento”.

Além do salário de quase R$ 26 mil e do valor de R$105 mil para contratação da equipe de gabinete, cada deputado tem direito a verba de ressarcimento para gastos com transporte, alimentação, telefone, combustível, correspondência, aluguel de imóveis, divulgação da atividade parlamentar em veículos de imprensa, serviços técnicos (como advocacia, contabilidade e locação de equipamentos de informática); além de outros. O dinheiro não utilizado em um mês pode ser acumulado para o outro. O valor da verba de ressarcimento mensal no Paraná teve variação ano após ano: entre 2019 e 2021 de R$ 31.470,00 para R$ 33.047,86. Só entre janeiro e maio deste ano cada deputado teve à sua disposição cerca de R$ 165.239,30 somente para verba de ressarcimento.

Homero Marquese (PROS) entende que nem tudo que está disponível deve ser usado. “A gente sempre prega austeridade dos Poderes do Paraná e para cobrar com coerência é preciso dar exemplo”, diz.

Entre os maiores gastos dos deputados realizados com a verba de ressarcimento estão a Locação de Veículos (R$ 1.226.270,99); Divulgação da Atividade Parlamentar (R$ 1.085.975,92); Serviços Técnicos Profissionais (R$ 792.546,05) e Combustíveis em Geral (R$ 637.825,60).

O presidente da Comissão de Tomadas de Contas da Assembleia Legislativa do Paraná, o deputado Jonas Guimarães (PSB), e que está entre os que mais gastaram com locação de veículos no recorte pesquisado, explica que tudo é fiscalizado pelo grupo. “Cada nota é verificada”, garante.


Os campeões no gasto com locação de veículos no recorte pesquisado são:
(Locação de veículos – R$ 1.226.270,99)

1 – Delegado Jacovós (PL): R$ 57.500,00

2 – Alexandre Amaro (REP): R$ 53.000,00

3 – Jonas Guimarães (PSB): R$ 52.500,00

4 – Emerson Bacil (PSL): R$ 49.500,00

5 – Soldado Adriano José (PV): R$ 49.500,00

No ranking com deputados estaduais do Paraná que mais gastaram com combustíveis no período analisado: (Combustíveis em geral – R$ 637.825,60)

1 – Anibelli Neto (MDB): R$ 26.757,45

2 – Alexandre Curi (PSB): R$ 25.494,60

3 – Tercílio Turini (CDN): R$ 24.964,86

4 – Mauro Moraes (PSD): R$ 24.350,72

5 – Arilson Chiorato (PT): R$ 24.149,68

No quesito serviços técnicos profissionais, os deputados que mais gastaram:

(R$ 792.546,05)

1 – Ricardo Arruda (PSL): R$ 75.000,00

2 – Professor Lemos (PT)– R$ 59.000,00

3 – Galo (PODE): R$ 58.236,12

4 – Plauto Miró (DEM): R$ 57.540,00

5 – Gilberto Ribeiro(PP): R$ 54.000,00

Já com divulgação da atividade parlamentar (R$ 1.085.975,52) no top cinco da lista de deputados estão:

1 – Cristina Silvestri (CDN): R$ 73.060,00

2 – Cobra Repórter (PSD): R$ 63.203,32

3 – Luiz Carlos Martins: (PP) R$ 55.000,00

4 – Requião Filho (MDB): R$ 52.700,00

5 – Galo (PODE): R$ 47.516,00

A rádio CBN buscou posicionamento de todos os deputados citados nesta reportagem – os que responderam até o fechamento deste material são citados a seguir:

  • O deputado Anibelli Neto disse que tem orgulho de ser um parlamentar que atende todas as regiões do Paraná ao justificar os gastos com combustível. Informou que apesar da pandemia não deixou de atender pessoalmente todas as cidades com as quais possui vínculo.
  • O deputado Arilson Chioratto afirmou que durante a pandemia, sempre que permitido, compareceu às sessões da Assembleia presencialmente na capital – ele é de Apucarana; disse, ainda, que usa o veículo alugado exclusivamente para exercer a função de parlamentar. Contou também que, seguindo orientações de segurança, continua fazendo visitas às cidades de atuação, para, por exemlo, audiências públicas sobre o pedágio.
  • O deputado Jacovós entende que os ressarcimentos devem ser avaliados no contexto geral e não por despesa. O parlamentar reforçou que utiliza veículo alugado para deslocar até Curitiba e para chegar até escritórios políticos em duas cidades.
  • O deputado Alexandre Amaro disse que os veículos alugados são somente para exercício do mandato e os utiliza dentro do que é permitido pela legislação. Afirmou também que mesmo em meio à pandemia seque com as atividades externas de visitas aos municípios nos quais atua.
  • O deputado Ricardo Arruda ressalta que, em comparação com o mesmo período do ano passado, conseguiu reduzir em 20% os valores das verbas de ressarcimento. Além disso, entende que os serviços técnicos apontados não são gastos e sim investimentos para, segundo ele, “elaboração de bons projetos de lei”. Por fim, diz que é preferível utilizar os recursos para a contratação de bons profissionais, do que gastar com locação de veículos. Com isso, cita que utiliza o próprio carro, o que não gera ressarcimento com gasto de combustível.
  • A deputada Cristina Silvestri afirmou que a divulgação da atividade parlamentar é premissa básica para manter a população bem informada sobre o trabalho. O aumento com essa despesa segundo ela se deu “porque houve mais trabalho no período pandêmico , o que demandou mais divulgação, entre eles o Boletim de Ocorrência Online e o Botão do Pânico para mulheres vítimas de violência doméstica. A parlamentar frisou na nota que não possui veículos de comunicação como outros colegas de Assembleia – o que a deixa dependente de mídia paga.
  • Por fim, Requião Filho disse que apesar da pandemia, os trabalhos no gabinete dele seguem intensos, mesmo em modo remoto, e que os gastos com divulgação de atividade parlamentar naturalmente aumentaram porque não foi possível em razão do momento atual realizar viagens e levar prestação de contas presencialmente aos municípios de atuação.
  •  
  • Fonte/CBN Curitiba

Nenhum comentário:

Postar um comentário