terça-feira, julho 20, 2021

Futsal Paraná - Técnico do time sensação da Ouro, fez história como jogador do Marreco

Em 2008, o então pivô Luciano Bonfim marcou 15 gols e ajudou o clube de Francisco Beltrão na conquista da Série Prata

Recém promovido à elite, o Operário Laranjeiras lidera a Série Ouro (com um jogo a mais que o Cascavel) e é a sensação do momento. Dos 11 jogos que fez, venceu os últimos seis e está invicto há dez - só perdeu na 1ª rodada, justamente para o atual campeão. O que poucos sabem ou lembram é que Luciano Bonfim, o técnico do Rubrão, foi peça importante nos primeiros passos do Marreco. 

Os tempos de Bonfim em Beltrão 

Em 2008, o clube foi campeão da Série Prata sob o comando de Rafael de Souza. O time fez 28 jogos, venceu 21, empatou dois e perdeu cinco. O então pivô Luciano Bonfim marcou 15 gols. Como naquela época o município já contava com um representante na elite, o Beltrão, o Marreco resolveu continuar na segundona. Numa parceria com Renascença, chegou ao vice do certame em 2009 para, no ano seguinte, integrar a primeira divisão. Bonfim - que havia se transferido para o CAD - retornou para disputar a reta final da Série Prata, e ajudou com quatro gols. “Lembro que os jogos eram na Cidade Norte. Fiz grandes amigos em Francisco Beltrão e hoje acompanho, praticamente, todos os jogos do Marreco. Torço por eles na Liga, já que no Paranaense somos rivais”, diz.

Bonfim lamenta o retrospecto beltronense em 2021, que para ele é reflexo do equilíbrio da modalidade. “A equipe é forte. O futsal é de momento e isso pode ser revertido a qualquer hora. Me orgulho por ter integrado este clube, que evoluiu muito em investimento e estrutura. Por isso, o Marreco entra como favorito em tudo o que disputa.” 

Da Ouro à Bronze, da Bronze à Ouro

Natural de Paranavaí, Luciano despontou como jogador no São Lucas. Foi pelo mesmo clube que pendurou as chuteiras e iniciou a carreira como técnico, em 2011, com o vice da Ouro. Desde então, passou por Keima, de Ponta Grossa, e Foz Cataratas. Considerado técnico do primeiro escalão do Estado, mas afastado desde junho de 2018, Luciano assumiu o Operário na Série Bronze, em julho de 2019.

Desde então, o técnico provou versatilidade ao conquistar o título da terceirona e, no passado, o da Série Prata. Em exatos 50 jogos pelo time de Laranjeiras do Sul, venceu 37, empatou oito e perdeu cinco: 79,3% de aproveitamento. Aos 46 anos, ele afirma que o objetivo do Operário é disputar com frequência a elite, mas para isso a permanência no primeiro ano é essencial. “Criamos um time para brigar com os grandes. A sequência de vitórias reflete o planejamento. A equipe está merecendo. Apostamos em atletas que têm poucas passagens pelo Paraná e que querem reconhecimento neste estadual, o mais difícil do Brasil.” 

Fonte: Redação Jornal de Beltrão

Nenhum comentário:

Postar um comentário