terça-feira, dezembro 22, 2020

Após morte em motel, família busca respostas e pede nova perícia

Na última sexta-feira (18) Jorge Altair da Cruz, de 43 anos, morreu em um motel localizado na marginal da BR-277, em Cascavel.

Uma equipe do Samu foi acionada pela mulher que estava com o homem no momento da morte. Após as avaliações do médico, um laudo foi emitido constando que o homem teria tido um infarto fulminante, no entanto a família questiona o resultado.

Segundo o relato do João, um dos irmãos de Jorge, o homem que era profissional da construção civil, estava trabalhando em uma obra em Boa vista da Aparecida e teria vindo à Cascavel para fazer acerto com funcionários. Jorge estaria com uma certa quantia em dinheiro quando foi ao motel.

Os familiares alegam que o irmão não conhecia muitas pessoas na cidade e pode ter sido vítima de um golpe que acabou resultando na sua morte.

Com muitas desconfianças em torno da morte de Jorge, a família cancelou o atestado de óbito emitido pelo Samu e busca que seja realizada uma nova perícia que avalie o corpo mediante exames toxicológicos, entre outros, para esclarecer o que de fato teria ocorrido, ou ao menos, retire um pouco da dúvida que paira sobre eles.

Ainda de acordo com os familiares, eles procuraram a Delegacia de Homicídios solicitando uma nova perícia, mas disseram que os delegados teriam se recusado e realizarem o procedimento. Hoje (21) a família contratou um advogado para fazer o pedido judicial para a realização do exame e emissão de um novo laudo.

Além do fato de perderem um ente querido, o drama dos familiares de Jorge é ainda maior por não conseguirem realizar o velório e sepultamento do homem. Conforme o relato do irmão, sem a emissão de um novo laudo, o corpo deverá permanecer na capela da Acesc e já está em estado de decomposição por estar fora da câmera fria.

Nossa equipe conseguiu contato com a delegacia de homicídios que esclareceu que a partir do momento que o laudo é emitido por um médico, o procedimento para uma nova perícia passa a ser de responsabilidade do Poder Judiciário, pois, a DH não tem autonomia para fazer o encaminhamento e nova perícia do corpo.

Também esclareceu que no momento em que o óbito foi constatado pelo médico, uma equipe de Policiais Civis da DH esteve no motel. Diante o laudo constando a morte como causa natural e sem qualquer indício de agressão, briga ou algo que levantasse suspeita, não houve a necessidade prosseguir com qualquer tipo de investigação. Destaca-se também que a mulher que estava com Jorge no momento do óbito permaneceu no local e foi ouvida pelos policiais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário