domingo, janeiro 24, 2021

Laranjeiras do Sul recebe mais 160 doses de vacina contra a Covid-19

Laranjeiras do Sul recebe mas 160 doses de vacinas contra a Covid-19. A entrega ocorre neste domingo (24 de janeiro) e a vacinação deve iniciar na segunda (25).

(CONFIRA AQUI QUANTAS DOSES CADA MUNICÍPIO DA REGIÃO ESTÁ RECEBENDO)

Caminhões e aeronaves carregando milhares de doses da vacina contra a covid-19 e a esperança dos paranaenses saíram da Central de Medicamentos do Paraná (Cemepar) e do Aeroporto do Bacacheri, ambos em Curitiba, na manhã deste domingo (24). A estimativa do Governo do Estado é que todas as 86.500 doses sejam distribuídas em menos de 12 horas, estimando o início da vacinação nos municípios para as 8h desta segunda-feira (25).

Os lotes com o imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford em parceria com o Laboratório AstraZeneca partiram em direção às 22 regionais de saúde do Paraná. “A vacina chegou no sábado à noite e no domingo pela manhã já a estamos distribuindo. Queremos que as doses cheguem com a maior brevidade possível aos paranaenses e que nesta segunda as salas de vacinação dos municípios estejam preparadas para começar a aplicação”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

Ele reforçou que a logística desta remessa é consideravelmente mais rápida do que a realizada na entrega do primeiro lote, formado pelo imunizante CoronaVac, na semana passada. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), o processo de distribuição das 132.771 doses para todas as 22 Regionais de Saúde levou pouco mais de 24 horas na oportunidade.

“Estamos intensificando o trabalho. Além de ser número menor de imunizantes, o volume desta vez também é menor, já que um frasco de AstraZeneca carrega dez doses", disse o secretário.

Beto Preto voltou a ressaltar que o novo lote de vacinas deve priorizar a proteção dos profissionais de saúde que estão na linha de frente do combate à pandemia, seguindo a orientação do Plano Nacional de Imunização (PNI) e do Plano Estadual de Vacinação (PEV).

Ele lembrou também que a secretaria vai intensificar os processos de orientação e fiscalização para que não haja problema em relação à ordem de distribuição da vacina. “Estamos atentos para que no Paraná não existam fura-filas, como infelizmente estamos vendo em outros estados”, afirmou Beto Preto.

TERCEIRO LOTE 

O secretário disse ainda que o processo de vacinação ganhará ainda mais agilidade nos próximos dias. Segundo ele, está programado pelo Ministério da Saúde a divisão de outras 900 mil doses de CoronaVac entre todos os estados do País e o Distrito Federal ainda nesta semana. A estimativa, afirmou o secretário, é que aproximadamente 40 mil doses sejam encaminhadas para o Paraná.

“Outras 3,9 milhões de doses imunizantes, também desenvolvidas pelo laboratório chinês Sinovac, devem chegar até o fim do mês”, afirmou. “Queremos que o fluxo seja contínuo, sem interrupções”.

O lote integra as 4,8 milhões de doses emergenciais autorizadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) na sexta-feira (22). No total, confirmado os números da terceira remessa, o Paraná vai contabilizar cerca de 600 mil doses. “Dá para garantir a vacinação dos mais de 272 mil profissionais da saúde que temos no Paraná”, destacou Beto Preto.

POR TERRA E PELO AR 

Dois aviões do Governo do Estado saíram às 7h45 do Aeroporto do Bacacheri com destino a 15 regionais do interior. Outras sete (Litoral, Metropolitana, Ponta Grossa, União da Vitória, Irati, Guarapuava e Telêmaco Borba) retiraram no próprio Cemepar.

A remessa com pouco mais de 86 mil doses é a parte que cabe ao Paraná dos 2 milhões de imunizantes importadas do Instituto Serum, um dos centros da AstraZeneca para a produção da vacina na Índia. Ela vai ampliar o alcance da proteção ao chamado grupo prioritário, formado por profissionais de saúde, pessoas em Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPI), pessoas com deficiência severa e indígenas. A definição de prioridade segue o Programa Nacional de Imunização, do Governo Federal.

AS VACINAS 

A diferença entre as vacinas CoronaVac e AstraZeneca, explicou Beto Preto, se dá em relação ao prazo de aplicação entre uma dose e outra, já que ambas preveem duas imunizações.

Enquanto a CoronaVac necessita de três semanas, a vacina de Oxford pede espaço de quatro meses. Assim, o primeiro lote, formado pelo imunizante da Sinovac, foi dividido em duas partes iguais, garantindo as duas doses para quem for receber.

Nenhum comentário:

Postar um comentário