sexta-feira, 24 de abril de 2020

Registros de violência contra crianças e mulheres caem 48% no Paraná

Ao longo do primeiro mês de distanciamento e confinamento social, o número de registros de violência contra crianças e adolescentes e de violência contra mulheres despencou no Paraná.

Conforme dados levantados pela Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp) a pedido da reportagem, a redução em todo o estado foi de 48,02%, ao passo que em Curitiba houve queda de 44,11% no número de registros.

Ao longo do primeiro mês de distanciamento e confinamento social, o número de registros de violência contra crianças e adolescentes e de violência contra mulheres despencou no Paraná.

Conforme dados levantados pela Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp) a pedido da reportagem, a redução em todo o estado foi de 48,02%, ao passo que em Curitiba houve queda de 44,11% no número de registros.

No Paraná, entre os dias 16 de março e 16 de abril de 2020 foram registrados 11.034 boletins de ocorrência relatando casos de violência contra crianças (217 registros) ou de violência contra mulheres (10.817).

No mesmo período do ano anterior, houve um total de 16.333 boletins de ocorrência sobre esses tipos de violência, sendo 697 sobre casos de violência contra crianças e 15.636 de violência contra mulheres.

Já na capital paranaense, os dados da Sesp apontam que o total de ocorrências caiu de 2.849 para 1.977. Porcentualmente, a queda mais significativa se deu nos registros de violência contra crianças, com variação de -74,23%, passando de 97 ocorrências em 2019 para 25 em 2020. Já os casos de violência contra as mulheres tiveram redução de 40,98%, passando de 2.752 para 1.952.

Apesar dos dados oficiais apontarem para menos ocorrências, contudo, delegadas ouvidas pela reportagem, que já haviam comentado na última semana haver uma redução nos registros, duvidam da possibilidade de redução real nos índices de violência. Ou seja, o que estaria acontecendo é que, por conta da necessidade de confinamento e distanciamento social, menos pessoas estariam denunciando.

Nenhum comentário:

Postar um comentário