quarta-feira, 29 de abril de 2020

Professora da UEL é úncia BRASILEIRA no comitê internacional para o COVID-19

A professora Nilza Maria Diniz, do Departamento de Biologia Geral do Centro de Ciências Biológicas da UEL (Universidade Estadual de Londrina), integra o WeCope (World Emergency COVID19 Pandemic Ethics Committee), cuja tradução é Comitê Mundial Emergencial de Ética para a Pandemia da COVID-19. O comitê reúne pesquisadores de países de todos os continentes.

A professora Nilza explica que o WeCope tem sua base em pesquisadores do Eubios Ethics Institute - vinculado à American University of Sovereign Nations (AUSN). A instituição é voltada para a oferta de mestrado e doutorado, na modalidade a distância, que aborda temas como bioética, saúde pública, paz, sustentabilidade, entre outros. Mais informações sobre a AUSN podem ser obtidas no site da universidade. "O comitê é um grupo multiprofissional, multidisciplinar e transcultural porque envolve pessoas de diferentes áreas e culturas", afirma a professora.

Entre os tópicos em discussão, apontados por Nilza Maria Diniz, estão por exemplo o uso de máscaras como medida de prevenção. No Brasil não é costume o uso do instrumento e isso levou a vários debates no início da pandemia no país, com sugestão para que a população não usasse a máscara, deixando-a para profissionais de saúde. Com o aumento acelerado do registro de infectados pelo coronavírus, muitos prefeitos e governadores passaram e editar decretos obrigando o uso da máscara em locais públicos.

 "Em outros países, esse é um recurso usado há muito tempo. Eu tenho máscaras que comprei em 2009 [países da Ásia]."

Nenhum comentário:

Postar um comentário