quarta-feira, 15 de janeiro de 2020

Venda de equipamentos de energia solar está 'bombando' na região Sudoeste

O segmento de elaboração de projetos, venda e instalação de equipamentos de energia solar no Brasil está “bombando”. A opinião é compartilhada pelos empresários Aldair Cambuí, proprietário da empresa Energy Sol, e Edson Flessak, diretor da Flessak Eletro Industrial, de Francisco Beltrão. “Tá bem aquecido, graças a Deus”, destaca Cambuí. O crescimento nos negócios tem crescido de 300% a 400% ao ano. Edson Flessak comenta que “o mercado [de energia solar] tá bombando, todo mundo quer ter”.

Aldair Cambuí salienta que passou a fase das pessoas e empresários que queriam ver a coisa acontecer para depois ir atrás ou de esperar como seria o comportamento de mercado e a procura. “A procura é boa no Brasil inteiro”, enfatiza o empresário. Em Francisco Beltrão há 18 empresas que atuam neste segmento, embora pelo menos quatro sejam as maiores e com mais tempo de atividade.

Aldair conta que até alguns anos atrás a demanda era majoritariamente de empresas. Mas há pouco tempo começou a aumentar a demanda de pessoas que querem instalar equipamentos de energia fotovoltaica em suas casas. O empresário estima que entre 2018 e 2019 o crescimento no segmento residencial tenha sido de aproximadamente 30%. Mas o número de clientes da Energy Sol é maior no segmento empresarial.

Subsídio em debate

O fim do subsídio para o uso da energia fotovoltaica na rede das companhias elétricas pode impactar nos negócios das empresas que fazem projetos, vendem e instalam estes equipamentos. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) quer o fim do subsídio. Se a medida for tomada, o negócio deixará de ser atraente para quem comprar a partir de agora.

Mas o presidente Jair Bolsonaro já disse que é contra a mudança nas regras e acionou os presidentes David Alcolumbre (DEM), do Senado, e Rodrigo Maia (Câmara), para que seja aprovado um projeto de lei contrário às mudanças. Se isso acontecer não haverá um clima de insegurança para investidores e empresas do setor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário