sexta-feira, 12 de abril de 2019

Governo deve 16,4% aos(às) professores(as) e funcionários(as) de escola

       O salário dos(as) professores(as) e funcionários(as) de escola do Paraná acumula um saldo negativo de 16,4%, desde a última reposição da inflação concedida em 2016. Já o custo de vida da população não para de subir. Na luta constante para que os direitos dos(as) trabalhadores(as) sejam garantidos, a APP-Sindicato terá uma agenda intensa de mobilização da categoria neste mês de abril. Um dos objetivos é exigir do governo o pagamento dessa dívida.

De acordo com relatório divulgado pelo IBGE, a inflação oficial no Brasil acelerou em fevereiro. O feijão carioca, por exemplo, registrou aumento de 51,58%. Outros alimentos básicos da mesa do(a) trabalhador(a) também subiram. É o caso da batata-inglesa (+25,21%), das hortaliças (+12,13%) e do leite longa vida (+2,41%).

Para sacrificar ainda mais a vida dos(as) educadores(as), o governo do Paraná elevou, desde junho do ano passado, em mais 15% o custo da tarifa de energia. O aumento é mais de cinco vezes maior do que a inflação do período. Segundo o Dieese, “os expressivos aumentos tarifários dos últimos anos (na conta de luz), têm beneficiado principalmente os seus acionistas, em detrimento dos consumidores e dos trabalhadores”.

A justificativa adotada pelo governo para as ações que descumprem a lei e prejudicam os(as) trabalhadores(as) têm com base o terrorismo nas previsões orçamentárias. Essa estratégia tem sido constantemente derrubada pelo economista da APP-Sindicato, Cid Cordeiro. Todas as estimativas de aumento na arrecadação do Estado, apresentadas pelo especialista, se confirmaram.

Diante desse cenário de grandes desafios, a última assembleia estadual da categoria construiu um calendário de atividades para pressionar governador, deputados(as) e governo federal. O presidente da APP-Sindicato, professor Hermes Leão, explica que a pauta possui mais de 20 itens, incluindo o pagamento da data-base (reposição da inflação), respeito a jornada de trabalho e a defesa da aposentadoria como reivindicações centrais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário